JOGO DE PALAVRAS

.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Não!



Não.

Não tenhas como certo que os trunfos,
São válidos e mais fortes que uma boa mão,
De experiência de vida feita,
E sentimentos verdadeiros repleta.

Não.

Não creias que pelo simples relato dos pensamentos,
Ficarás a saber o que penso,
E da forma como esses mesmos pensamentos,
Afectam os meus sentimentos.

Não.

Não tenhas a veleidade de pensar,
Que me deixas expectante,
Ou sequer na incerteza,
Com os teus gestos,
Ou as palavras artificiais.

Não.

Não (me) tomes como certo,
Que no núcleo do "nós",
Tudo já foi explorado e é sabido,
Pois tudo é uma constante evolução,
E eu...
Eu, nunca nessa conta te tive.

Não.

Não tentes camuflar a verdade do teu olhar,
Sequer com a linha dos teus lábios,
Nem tentes esconder-te atrás de barreiras inventadas,
Para encobrires a pureza dos teus gestos,
Pois eu...

Eu quero saber-te sempre sincera,
Eu quero saber-te sem barreiras artificiais,
De gestos ou palavras feitas,
De defesas impostas,
Ou mágoas refeitas,
Nem outras coisas que tais,
Fermentadas numa qualquer espera.

Não.

Não me dês qualquer outro,
Que não…
… o teu verdadeiro eu!

Achas-te capaz?

6 comentários:

BrokenAngel disse...

Quando pensamos ter os trunfos, é quando a mão se vira contra nós...

Nunca ter nada nem ninguém como cert@... só assim podemos dar sempre tudo de nós, como se cada dia fosse o primeiro da conquista!

Brain's Wife disse...

Será que alguém é capaz de dar a outro o seu verdadeiro eu, sempre?

Por vezes pensamos que dámos, mas no fundo fica sempre algo do nosso eu por revelar.

Depois em situações diversas, no núcleo do "nós", numa continua exploração e maturação, o nosso eu vai-se continuando a revelar, chegando-se à conclusão que a revelação do nosso eu nunca se esgota.

O nosso eu também evolui com o evoluir da nossa vida, com o evoluir da relação. Haja sinceridade para conseguirmos sempre revelar o nosso eu, nas mais diversas situações.

Achar-me capaz? Porque não?

Excelente este Jogo de Palavras.
Parabéns aos três (em especial a ti meu querido Brain).

B'Araújo disse...

se me é permitido dizer. um dos mais bonitos escritos em q a palavra não impera... e não tem de ser necessariamente negativa.

parabéns.

enorme abraço

MIMO-TE disse...

A verdade nunca é absoluta e sofre grandes mutações. A verdade de hoje pode ser a mentira de amanhã.

Mimos

Pecadormeconfesso disse...

E gostarias do verdadeiro?

Lua disse...

Não tinha lido este teu extraordinário texto.PARABÉNS!
Tens aqui o meu eu sempre o meu "EU", posso mudar de nome, posso mudar de blog, mas não consigo nunca mudar de mim... para onde vou ... levo-me...

beijo sempre, sempre meu...
Tu sabes-me...